foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

alentejo2020

Tenente coronel da GNR de Portalegre era pago com sexo, vinho, azeite, perfumes, almoços e jantares

(Por Gabriel Nunes) - O tenente coronel da GNR de Portalegre, Jorge Ferrão, detido, em janeiro deste ano, trocava informações com empresários sobre a localização das brigadas de fiscalização de transporte de mercadorias por sexo, vinho, azeite, perfumes, almoços e jantares

De acordo com o Correio da Manhã, que cita o Ministério Público, a operação que culminou com a detenção de 18 pessoas por vários crimes económicos foi desencadeada a 19 de janeiro, e levou à prisão preventiva de seis pessoas, entre as quais quatro militares da GNR.

 

O tenente-coronel, conhecido como “o padrinho”, era o cabecilha do esquema que foi detetado e investigado pela própria GNR, e responde por 19 crimes de corrupção.

O Correio da Manhã acrescenta que  esquema, montado pelo tenente-coronel e pelo cabo Joaquim Santos, do Posto Fiscal de Elvas, funcionou durante todo o ano de 2015: a troco de informações relacionadas com a localização das brigadas de fiscalização de transporte de mercadorias, obtinham vantagens económicas.

Segundo a acusação, na casa de Jorge Ferrão foram apreendidas 70 garrafas de vinho, mais de uma dezena de garrafões de azeite e 15 embalagens seladas de perfumes. O “padrinho” terá sido o único dos acusados a ser pago com sexo.